segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Escolhas e Expectativas

"Expect for the worse, hope for the best"
- Ditado Estadonunidense (ou norte-americano. rs)
Em uma tradução livre:
"Tenha expectativas pelo pior, mas tenha esperanças pelo melhor."

"Se as coisas são inatingíveis... ora!
não é motivo para não quere-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
a magica presença das estrelas!"
- Mário Quintana, Das Utopias

Como coloquei anteriormente, me propus a escrever um post por dia para o blog, e estava ontem pensando sobre o que escrever. Tinha várias idéias, mas precisava escolher uma, e foi quando me veio a idéia brilhante: que tal falar sobre escolhas?

Passei o dia de hoje refletindo sobre este tema, e sobre como poderia abordá-lo, mas todas as formas que me vinham me pareciam muito "lugar comum". Falar sobre a importância das escolhas? Sobre a responsabilidade de nossas escolhas e de aceitarmos as consequências? Sobre como é necessário escolher diariamente para conseguir um objetivo? Tudo isso me parecia tão batido, até por mim mesmo, seja aqui no blog, seja em outras encarnações que este blog já teve.

Pensei até em abandonar até em abandonar o tema das escolhas e simplesmente resgatar um texto das tais encarnações anteriores do blog e postar aqui como "tapa buraco". "Só por hoje" eu me dizia.

Conversando com algumas amigas hoje, me dei conta de que tudo isto podia ser uma certa auto-sabotagem. E daí se o texto era lugar comum? E daí que não ficasse bom? E daí?

E daí que a ansiedade por querermos que o mundo seja perfeito as vezes nos domina. A ansiedade, como tudo mais no Universo, pode ser boa ou ruim. A ansiedade que sentimos diante de uma conquista, ou de um presente, ou do reencontro com alguem querido é algo fantástico. É essa ansiedade, essa esperança, esse não-saber, que nos permite maravilharmos diante do mundo.

Quando crianças o mundo é uma grande aventura, cada dia uma surpresa, um mistério, mas quando nos tornamos adultos vamos perdendo isso. Deixamos de ter esperanças e passamos a ter expectativas, e é aí que a ansiedade deixa de ser algo bom e se torna algo ruim.

Passamos ter expectativas pelo nosso emprego, nossos relacionamentos, nossos amigos. Criamos em nossa mente como as coisas devem ser para sermos felizes, como se pudessemos ser diretores de nossas vidas. E quando a vida não atende a nossas expectativas, vem o sofrimento, a decepção, a tristeza.

Não podemos ser diretores de nossas vidas. Para os que acreditam, como eu, em uma força maior, esse trabalho já foi tomado. Mas podemos nos tornar protagonistas de nossas vidas. Para isso é preciso lidar com a vida como ela é, e não como desejamos ou tememos que ela seja. Só assim é possível atuar em nossas vidas.

Não se trata de abandonarmos nossos sonhos, até porque são eles o nosso combustível para a vida, mas se temos a esperança de torná-los reais, isso só será possível se estivermos com os pés no chão, diante da realidade.

Bom, este é o meu post por hoje. E quanto ao tema das escolhas? Escolhi deixá-lo para outro dia. rs Tenham esperança de que ele vai aparecer no momento devido.

PS: Ainda tinha expectativas de tornar este texto melhor, mas escolhi postá-lo assim mesmo, para não dar chance a auto-sabotagem. rs

2 comentários:

Soraya Farias disse...

Sandro, Gostei! Mais pessoas disseram que era sabotagem sua? rs...Olhe, não existe perfeição e esse texto foi escrito em um momento; e se for escrever novamente sobre este tema, outra coisa sairá...Relaxa. Beijos (ficarei no seu pé! rs)

Lucia disse...

Lendo o início do post, eu estava pensando justamente nisso. E daí que é lugar comum? às vezes é preciso lembrar do óbvio. Foto de por de sol é o mais lugar comum possível, mas todo mundo gosta porque é bonito. Por que resgata nossa inocência de criança. E sempre há maneiras diferentes de se falar do mesmo tema.