domingo, 11 de setembro de 2016

Mini-Conto - Souvenir

Souvenir

Bom dia querido,
Não precisa me procurar. Quando estiver lendo isso eu já terei a muito partido. A noite passada foi maravilhosa, mas quero guardá-la como uma deliciosa lembrança e nada mais.
Sei que está confuso. É o efeito dos remédios. Por isso peço que leia esta carta até o fim, é muito importante.
Noite passada, na boate, eu vi como você me olhava. Disfarçava , conversando com seu amigo, mas seus olhos revelavam o seu desejo. Você me cercava como um predador a uma presa indefesa. Ou assim você acreditava.
Sua forma de dançar colando seu corpo ao meu já me excitava e logo nossos lábios travaram um duelo lascivo que nos guiou a este quarto de motel.
Você foi um amante vigoroso e quase me fez sucumbir na terceira vez que me pegou por trás como um animal.
Você dormiu tão tranquilamente depois disso, tão inerme…
Tomei a liberdade de tomar para um mim um souvenir para nunca mais esquecer de você. Não se preocupe, cuidarei bem dele. Irei embalsamá-lo e guardá-lo junto aos outros da minha coleção.
Deixei o celular ao seu lado já com o número da emergência digitado, basta clicar no “send”. Há mais um saco de gelo no isopor ao lado da cama, caso precise. Ligue para eles assim que terminar de ler essa carta e aguarde eles chegarem sem se mover.
Odiaria que você morresse após me proporcionar tanto prazer.
Com carinho,
V❤