sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O Valor da Bondade


Então é Natal…

E eu aposto que você continuou a música mentalmente, não foi?

Algumas coisas se conectam em nossa mente sem que tenhamos qualquer controle.

Outra coisa com que associamos o natal é a bondade. Na TV e na internet começam a fervilhar histórias de ações humanitárias, doações generosas a quem não tem nada ou quase nada, tradições de caridade, causos de empatia e reencontro.

Associamos esta época com este tipo de gesto e prezamos a bondade com todo o valor que achamos que merece.

Mas você sabe qual o valor da bondade?

Nenhum!

O mesmo valor de um monte pedras brilhantes, melhor dizendo. E como estas, valorizamos a bondade não por seu valor intrínseco, mas pela sua raridade.

Cada dia é mais difícil ver atos de bondade, muito pelo contrário.

Cada dia nos falta mais tempo e disposição para sermos bondosos.

E é por isso que atos de gentileza, generosidade, compaixão e empatia são tão valorizados. Mas só no natal! Amanhã voltaremos a nossa programação normal.

Quem dera chegar o dia em que a bondade tenha tanto valor quanto o sol de cada dia, a chuva ou a luz da lua. Algo tão comum que muitas vezes nós nem percebemos que está lá. E mesmo assim tem o seu valor.